+55 011 98118-5464 sidneycabral@gmail.com

CULTO DO EVANGELHO NO LAR

FINALIDADES

1) Estudar, cultivar e praticar o Evangelho de Jesus e, ao mesmo tempo, proteger os lares contra influências espirituais negativas.

2) Beneficiar pessoas necessitadas por meio de preces e vibrações espirituais.

evangelhonolar

ROTEIRO

1) Escolher dia e hora da semana em que se possa contar com a presença dos familiares, observando rigorosamente a pontualidade para assegurar a assistência dos benfeitores espirituais.

2) Iniciar as reuniões, com o número que for possível de pessoas presentes.

3) Designar um dos presentes para dirigir a reunião, podendo ser feito um rodízio, caso desejarem.

4) Abrir a reunião com uma prece simples e espontânea, dirigida a Deus, que poderá ser proferida por qualquer participante.

5) Ler um pequeno trecho do O Evangelho segundo o Espiritismo e, na falta deste, do próprio Novo Testamento.

6) Comentar o trecho lido, com palavras simples e compreensíveis, buscando sempre a aplicação dos ensinamentos de Jesus na conduta pessoal e na vida diária, podendo qualquer dos presentes participar dos comentários, com objetividade e clareza, evitando-se debates e discussões.

7) Realizar em seguida vibrações de fraternidade e de amor para necessitados, na seguinte ordem:

  • para a paz na Terra e no coração dos homens;
  • para a difusão do Evangelho no mundo;
  • para auxílio a enfermos, encarcerados, descrentes e suicidas;
  • para ajuda aos trabalhadores de Jesus, que se dedicam à prática do Bem e ao esclarecimento público das verdades espirituais;
  • para a fraternidade entre os homens, sem distinção de crenças ou con- dições sociais.

8) Prece de encerramento.

Observações

1) Os lares cristãos são refúgios sagrados para os membros da comunidade, e o Culto do Evangelho no Lar é um recurso de extraordinária importância de que se utiliza o Plano Espiritual Superior para sustentar o trabalho de evangelização da humanidade e proteção da família.

2) Por sua importância realizadora esse trabalho é especialmente visado pelos espíritos inferiores, que sempre interferem para impedir sua expansão, sendo necessárias perseverança e fé para sua continuidade e preservação.

3) Poderão ser feitas vibrações para os casos justos e graves que atinjam a sociedade, a nação e a humanidade, por exemplo, desastres, catástrofes, etc.

4) Não se deve permitir, em hipótese alguma, que a reunião se transforme em trabalho mediúnico, ou de debates sobre assuntos doutrinários.

5) Evitar comentários e críticas ofensivas a pessoas ou religiões, bem como conversas pouco edificantes, antes, durante ou depois da reunião.

6) Reuniões desta natureza não devem ultrapassar a trinta minutos, podendo ser utilizada música suave e adequada, para melhor realização da preparação e do encerramento.

Aliança Espírita Evangélica

Maio de 1977

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Scroll to Top